user_mobilelogo

Siga-nos no Facebook

Fotos Destaque

Festicalulo 2017

A Congregação dos Salesianos é uma congregação religiosa da Igreja Católica Apostólica Romana fundada em 1859 por São João Bosco e aprovada em 1874 pelo papa Pio IX. O seu nome oficial é Pia Sociedade de São Francisco de Sales, contudo são popularmente conhecidos por salesianos de Dom Bosco o que determina sua sigla: SDB.

A congregação é composta por irmãos de vida consagrada, que fazem votos simples de castidade, pobreza e obediência. Os salesianos podem optar pelo sacerdócio, de modo que existem padres e irmãos salesianos.

A Presença em Angola

A actuação salesiana iniciou-se em Angola quando ainda era colónia portuguesa, dirigida pela Província Salesiana de Portugal.

Com a independência do país e as dificuldades políticas consequentes, as missões em Angola foram organizadas a partir de 1981 pelos salesianos do Brasil, com participação de salesianos latino-americanos.

Actualmente os Salesianos de Angola contam com dez obras, entre paróquias, escolas e entidades assistenciais, com a participação de cinquenta e oito salesianos, dos quais vinte e dois do continente africano.

As actividades são realizadas em conjunto com outros institutos religiosos, como as Filhas de Maria Auxiliadora, Organizações Não-Governamentais e aproximadamente dez mil colaboradores angolanos.

Para se ter uma ideia da dimensão desse trabalho, a Paróquia de São Paulo, em Luanda, recebe sete mil crianças e jovens para a catequese.

Em Angola estão presentes em Luanda, no Cuanza-Norte (Municípios de Cambambe/Dondo e Ndalatando), em Cabinda, Benguela, no Cuanza-Sul (Município do Libolo) e com perspectivas de estar na província do Huambo.


Actividades e objectivos

Atentos aos gritos dos jovens nos mercados, nas praças e nas ruas da cidade de aldeias rurais, os Salesianos continuam a trazer esperança e a ajudar a construir este país rico que é Angola.

Após mais de 25 anos de presença, neste momento particular da história, já é possível ver o quanto foi alcançado e o trabalho realizado. Com o enfoque na construção do reino de Deus, o objectivo principal da acção Salesiana tem sido a educação formal e informal de jovens que vivem em condições socioeconómicas desfavoráveis.

A evangelização e a promoção da dignidade humana são reflexo de uma visão global da educação, que vai do ensino básico ao ensino profissional, abrangendo o lazer e o desporto, e tem como objectivo as diferentes fases e aspectos da vida do jovem.

Resumidamente o serviço pastoral e social dos Salesianos são os seguintes:
A – Cidadania
Registo civil de crianças e adolescentes até aos 18 anos, com criação de núcleo de direitos humanos;

B – Saneamento básico e saúde
Consciencialização da prevenção de doenças endémicas (cólera, HIV/SIDA, malária) e cuidados materno-infantis;

C – Educação
Construção de salas de aula e montagem dos equipamentos respectivos; alfabetização para todas as idades, com atenção especial para o ensino dos fundamentos básicos e para a criação de bibliotecas;

D – Trabalho e Formação Profissional
Inserção no mundo do trabalho; formação profissional básica; Preparação básica para a empresa; apoio ao desenvolvimento pessoal e familiar; produção de actividades auto-sustentáveis.

E- Sector da construção
Cursos de construção civil; assistência na reconstrução habitacional; construções de carácter social.

F – Cultura, Desporto e Lazer
Teatro e desporto; actividades educativas; bibliotecas. O resultado é uma educação abrangente que ajuda as pessoas a dialogar e a conviver em democracia, servindo-se de valores espirituais. Não falta o apoio à educação dos adultos que não tiveram oportunidades de educação enquanto jovens. O trabalho dos Salesianos em Angola já atingiu mais de 31.125 estudantes e cerca de 100.000 pessoas a nível nacional, um número que reflecte a sua força e o seu trabalho.

G – Centros Juvenis
Os Centros Juvenis permitem aos jovens, devidamente acompanhados por educadores, graus mais elevados de participação e de responsabilidade.

H – Actividades extra-escolares
Tempos livres; actividades educativas: bibliotecas, teatro, dança.

I – Educação formal
Escola de Dom Bosco de Sambizanga com 3800 alunos; Escola Dom Bosco de Trilhos com 1500 alunos; Cassoalala-Dondo com 800 alunos; Calulo com 1000 alunos; Luena com 500 alunos e Viana com 250 alunos.

J – Educação Informal (alfabetização)
Dondo – 40 centros e 6000 beneficiários (incluindo 70% de jovens e mulheres adultas) e 400 instrutores (na maioria gente jovem).

K – Formação Profissional
Educação profissional básica; cursos: informática, metalomecânica, fabricação de armários, mecânica, electricidade, pastelaria, construção civil, artesanato, reparação de bicicletas, treino para o auto-emprego; educação para a o trabalho na empresa.

L – Sanidade Preventiva
Enfermaria; educação e prevenção na área do HIV/SIDA; cuidados infantis.

M – Grupos Juvenis
Formação do carácter e compromisso social: actividades de grupo, formação espiritual, educação para o amor e paternidade responsável, formação para a cidadania. Os Salesianos trabalham com base em valores tais como: amor fraternal, primazia do indivídua, a família como valor, jovens responsáveis de outros jovens, confiança nos valores espirituais que complementam a educação recebida, iniciativa juvenil, trabalho em coordenação com outros (trabalho em rede).

N- Actividade Missionária local
Faz-se o impossível para ajudar os mais afastados das zonas urbanas, no seu crescimento espiritual e social. Os laicos desenvolveram um movimento que implica os jovens e adultos na catequese, na alfabetização, na saúde e na gestão da comunidade. No Dondo existem 55 aldeias e em Calulo 104 povoados que se visitam desta forma.

 

 

Algumas Dificuldades
Reduzido número de lideres; assimilação lenta, por parte de muitos, dos princípios educativos que envolvem o trabalho; hemorragia constante de líderes devido à instabilidade social; movimento constante de pessoas; carência de espaços para o desporto e lazer, falta por parte do estado de ajuda financeira mais consistente; falta de educadores, enfermeiros e de formação profissional. Esta situação implica uma dependência da ajuda externa e de organizações internacionais para quase todas as actividades e obras.